• ser@empresaser.com.br
  • Fone: (51) 3273.6001 | (51) 99977.1714

Outubro Rosa

10a-Imagem-03r

O que é ?
Trata-se de um movimento internacional que busca conscientizar a população sobre o controle do câncer de mama. Começou nos anos 90, através do que hoje é a maior organização nesse assunto: a Fundação Susan G. Komen for the Cure. Nesse mês, são promovidas campanhas em inúmeros lugares do mundo discutindo tecnicamente e debatendo em sociedade os impactos dessa doença.

Por que focar no câncer de mama ?
Este é o segundo câncer mais incidente na população mundial feminina, incluindo no Brasil, perdendo apenas para o câncer de pele “não melanoma”. Cerca de 30% dos casos podem ser evitados com a mera adoção de hábitos de vida saudáveis como: não ser sedentária(o), evitar consumo de álcool e sobrepeso. Sua detecção precoce é extremamente importante para aumentar a taxa de sucesso no tratamento e diminuir o risco de lesões mais agressivas.

Como se faz o rastreio ?
No Brasil, adotam-se as orientações da Organização Mundial da Saúde, fazendo uso do rastreio mamográfico. O Ministério da Saúde recomenda realizar mamografias em mulheres entre 50 e 69 a cada 2 anos. Vale ressaltar que o termo rastreamento significa realizar o exame apesar de não se encontrarem sinais ou sintomas suspeitos. Sempre que haja algum sintoma ou suspeita, é preciso avaliar o caso de forma adequada, a critério médico, independente da idade ou sexo.

Por que as empresas devem se preocupar com o câncer de mama ?
De acordo com o Ministério do Trabalho, em 2017 cerca de 21 mil mulheres se afastaram do trabalho por conta dessa doença. Esses são dados de antes da pandemia atual pelo Coronavírus. Em contexto de pandemia a dificuldade para rastreio e mobilização por essa campanha é ainda maior. Para evitar um adoecimento acima do esperado, podemos contribuir apoiando essa campanha e atuando na promoção da saúde de nossos colaboradores e colaboradoras. Alguns direitos são garantidos pela legislação, como o saque do FGTS e PIS/PASEP, isenção do IPVA e auxílio-doença. Discutir o assunto é discutir os direitos dos trabalhadores.

Fontes: INCA, Ministério da Saúde e TST.

Dr.Vinícius Ferigato Exposto de Mello
Médico formado na Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Pós-Graduando em Medicina do Trabalho (UFRGS), com experiência em saúde ocupacional e gestão em saúde (CRM 4231).